Pular para o conteúdo

Blog do Colaborador

De: Comunicação GNDI - 10 set 2021

..

Como lidar com a gordofobia?

Confira como o preconceito pode impactar em fatores alimentares, psicológicos e sociais

A gordofobia é o termo usado para descrever o preconceito com pessoas acima do peso. Achar que pessoas gordas são preguiçosas, comem muito ou não são magras porque não conseguem emagrecer, por exemplo, são pensamentos gordofóbicos. Embora possa parecer inofensiva, a gordofobia pode contribuir para o desencadeamento de transtornos alimentares e psicológicos para quem sofre o preconceito.  

"Existe uma pressão muito forte que pode fazer com que a pessoa busque métodos não saudáveis para emagrecer - pode, inclusive, ser um fator desencadeante ou contribuir com o agravo de transtornos alimentares, como a bulimia", explica a psicóloga do QualiVida Angélica, Giovana Vicente Ribeiro Rosa. Os prejuízos podem vir com facilidade para contrair e desenvolver doenças, como falta de vitaminas, ciclo menstrual desregulado, queda de cabelo, anemia, entre outros. Além disso, a saúde emocional é diretamente afetada: "Essas pessoas também podem desenvolver transtornos mentais, como sintomas ansiosos e depressivos, também em decorrência desse preconceito", afirma a especialista.  

A pressão estética associada ao preconceito pode levar pessoas a evitar roupas que expõem o corpo por conta de comentários e olhares, e ainda prejudicar a vida social, levando a um isolamento ao evitar alguns locais que trazem constrangimento. Bancos de restaurantes, ônibus muito altos, catracas estreitas e outros locais que são de fácil acesso ao olhar do senso comum, podem se tornar um tormento para quem não tem um corpo socialmente aceito como padrão. "São muitas perdas sociais. A pessoa pode parar de frequentar alguns tipos de lugares que não estão adaptados para quem está acima do peso, ou deixar de ter momentos de lazer por não sentir-se à vontade", comenta.  

Como lidar com a gordofobia? 

Na hora de procurar métodos para emagrecer é preciso considerar sobre as motivações: é um desejo para se sentir melhor consigo mesmo ou a vontade vem da expectativa alheia? Caso seja a segunda alternativa, talvez esteja na hora de procurar ajuda psicológica. "Quando lidar com isso sozinho se torna cada vez mais difícil, o suporte psicológico pode auxiliar em estratégias para conseguir passar por isso de forma mais leve, auxiliando no desenvolvimento de estratégias funcionais para lidar com as dificuldades", explica Giovana. 

No caso de pessoas que desenvolveram transtorno alimentar, o tratamento padrão ouro é psicologia e psiquiatria, para tratamento medicamentoso adequado. Esses profissionais trabalham em conjunto com outros especialistas como nutricionista e endocrinologista. Dessa forma é possível ter um tratamento efetivo do transtorno alimentar, que é um transtorno mental, mas que reflete na condição clínica.  

Não tenha atitudes gordofóbicas 

Nem sempre há intenção em ser maldoso ao propagar um preconceito: algumas pessoas acreditam que estão ajudando ou não percebem que podem prejudicar alguém. Mas, alguns comentários podem ser gatilhos para transtornos alimentares ou depressão, além de deixar a outra pessoa constrangida. 

- Não se refira a pessoas acima do peso pelas características físicas como "gordo (a)", "gordinho (a)", "fofinho (a)", entre outros. Em vez disso, ao falar sobre alguém, você pode indicar a cor da roupa da pessoa, por exemplo. 

- Não dê dicas sobre como emagrecer sem que a pessoa pergunte. 

- Não comente quando alguém engordar como se fosse algo ruim, e nem parabenize alguém por ter emagrecido. 

- Não faça comentários sobre o que uma pessoa gorda está comendo - seja salada, seja chocolate.  

- Não associe sobremesas ou comidas com alto teor de gordura e açúcar a pessoas gordas. 

E você, já sofreu com a gordofobia? 

Você também pode participar. Deixe seu comentário:

 

FLAVIA LOURENCO TOMAZ - HOSPITAL SALVALUS

UMA SITUAÇÃO MUITO DIFICIL AS VEZES AS PESSOAS FLAM BRICANDO MAS NA VERDADE MACHUCA MUITO TENHO MUITA ANSIEDADE E DEPRESSÃO NÃO GOSTO DO MEU CORPO JA FIZ VARIOS REGIMES EMAGRECE DEPOIS VOLTA TUDO DE NOVO E PIOR AINDA JA NÃO SEI MAS O QUE FAZER

Vanessa - C.C Rebpoças 1

Gostei da matéria, não tenho preconceito com outras pessoas, tanto é que meu marido é acima do peso e acho ele muito lindo, mas em relação a mim fico chateada porque não consigo perder peso, sou muito ansiosa, e a perca de peso seria em relação a saúde mesmo, pois ganhei uma hérnia de disco e meu joelho dói muito.

SONIA MARIA MARTINS DA SILVA - REGIONAL JUNDIAI

EXCELENTE MATERIA. GOSTEI MUITO.

Isabel Aparecida Loschi - Jundiai

gostei

FLAVIA MOLEDAS DE DEUS - HOSPITAL FREI GALVÃO

SIM EU JA SENTI NA PELE O PRECONCEITO DE MUITOS HOSPITAIS DE SP NÃO ME CONTRATAREM PELO MEU PESO, QUANDO VC TEM UMA EXPERIÊNCIA NA AREA CME E CENTRO CIRURGICO. TENHO 26 ANOS DE EXPERIÊNCIA E DIZ QUE VC NÃO É PERFIL, VC SENTE PRECONCEITO TODOS OS DIAS, TEM PIADINHA. EU TENHO SONHO DE COLOCAR O BALÃO

IARA - HOSPITAL CRUZEIRO SUL OSASCO

FALAR SOBRE SER GORDA , JA FOI UM PROBLEMA PARA MIM , ATE EU ME CONSCIENTIZAR , QUE PRECISO ME CUIDAR PARA O MEU BEM ESTAR , SAUDE , FICAR BEM COMIGO MESMO , SEM ME PADRONIZAR PARA A SOCIEDADE , TENHO MEUS VALORES , E SOU MUITO MAIS QUE UM CORPO ESCULTURAL . SE PRECISO EMAGRECER ? SIM ESTOU ME CUIDANDO SEM ME ESCRAVIZAR .

caroline - central atendimento

parabens pela excelente materia ,devemos discutir mais este tema tao importante .

Lorys - av. Paulista

Sofro com meu peço desde os 11 anos, e desde então tem sido uma batalha árdua e inconstante. As pessoas me olhavam de um jeito como se eu fosse um predador, sofri preconceitos em ambiente de trabalho, familiar, "amigos" e o pior de todos foi eu comigo mesma. a anos atrás eu "fiz" um regime onde eu emagreci 50 quilos, coube numa calca n° 40/42 podia comprar roupas pra mim sem nem me preocupar se iria servir. as pessoas começaram a me olhar, me elogiar, minha mãe me exaltava. eu não tinha mais vergonha do meu ser, de quem eu era ou podia ser, eu estava confiante... Eu estava feliz! consegui manter meu peso por uns 2 anos, após isso foi efeito sanfona. e o que mais chateia é saber que nunca vou ter o biótipo da minha mãe ou do meu irmão. é uma luta constante me aceitar, e acho que nunca vou conseguir.

Juliana Albuquerque Abelaneda Martins - Regional Sorocaba - Marketing

Excelente refexão, precisamos debater mais esse tipo de preconceito.

Adriana Beserra - Qualivida Higienópolis

Ótimo texto, muito importante discutir sobre esse assunto!!!

Evelyn Oliveira - Qualivida Higienópolis

Reflexão de extrema importância neste momento em que estamos saindo de um isolamento social. Parabéns à colega de profissão pelo texto compartilhado.

Karen - Qualivida Angélica

Matéria sensacional. Giovana, parabéns por abordar um assunto tão delicado de uma forma respeitosa e profissional.Como uma psicóloga que trabalha com esse público posso afirmar o quanto são necessárias pautas como essa e profissionais sensíveis e responsáveis como você. Parabéns!!!!

Ana Claudia Araujo de Couto - Barra Funda

Sofro com a gordofobia há muitos anos e os familiares são os primeiros a comentar sobre o peso.

Jaqueline - Central de Atendimento

Importante falar sobre esse tema pois sofremos com esse preconceito que muitas vezes é verbal mas até no olhar ele se manifesta.

Eliane - Central Sac

O conteúdo apresenta muitas informações relevantes ao tema . Adorei

Priscilla - CC Tatuapé

Muito obrigada por finalmente abordarem esse tema tão importante e delicado! Ao ficar na porta aferindo a temperatura dos pacientes, tive um contato maior com esse público onde notei que até mesmo os lugares os exclui. Observei por exemplo, que aqui faltava uma cadeira de rodas para gordos e tentei ao máximo sinalizar para que conseguíssemos uma e enfim chegou. Isso faz parte da inclusão e temos que melhorar nossos olhares para isso, nada mais legal do que se sentir bem vindo em um lugar, não é? Valeu GNDI.

juliana maria - itaquera

amei essa matéria, sofro muito com isso nesse exato momento estou sofrendo com compulsão alimentar e muito triste.

Elaine - Cruzeiro do Sul

Estar passando em frente de lojas de roupas e vendedores falar aqui tem tamanho do 48 ao 56 vamos entrar e dar uma olhadinha.Colegas de serviço nossa reparo que vc como (tal coisa) com frequência o ser humano é gordo porque quer só come porcaria.Amiga parece que vc deu uma emagrecida, bom um pouquinho mas deu.comentários desagradavél.