Pular para o conteúdo

Blog do Colaborador

De: Comunicação GNDI - 17 mar 2022

..

Histórias inspiradoras de mulheres do GNDI

Colaboradoras compartilharam suas experiências de vida e seus desafios durante live comemorativa do Dia Internacional da Mulher

Depoimentos emocionantes e inspiradores marcaram a live do dia 8 de março, que fez parte das celebrações do mês da mulher no GNDI. Seis colaboradoras que participam do Programa de Diversidade e Inclusão contaram suas histórias, desafios e superações.

Cada uma representou um grupo de afinidade. No post anterior, soubemos um pouco mais sobre a experiência de vida de Melissa Miranda, do grupo LGBTQIA+, e Sandra Correia, do grupo PCD.

Agora, vamos compartilhar mais duas histórias. A primeira é da Ludimilla de Araújo, auxiliar administrativo da Filial Rio de Janeiro, que integra o grupo de Etnias. "A minha consciência racial tem pouco mais de cinco anos, mas isso não me impede de falar que o racismo tenha me acompanhado por toda a minha vida. Desde a infância eu passei por situações de racismo, mas na época eu não percebia. Depois da minha consciência racial, eu comecei a prestar atenção nos ambientes que frequento. Mesmo sendo de pele clara, eu me sinto vigiada em lojas. Também percebo que os negros estão, na maioria das vezes, em cargos de serventia e não como participantes de entretenimento ou cargos de liderança em empresas, por exemplo. Cabe a nós transformar as informações em conhecimento e fazer chegar tanto aqui no GNDI como na vida, para dissipar as microagressões diárias sofridas por mulheres negras, indígenas e imigrantes. Precisamos dar cada vez mais suporte para tornar a sociedade mais justa e realmente com a equidade que sempre buscamos", destacou.  

A live também teve a apresentação de Geraldine Almeida, analista administrativo de repasse médico do Hospital Paulo Sacramento, que representou o grupo de Equidade de Gênero e enfatizou o seguinte: "O Dia Internacional da Mulher é uma data de luta e de garantia de direitos. Eu sempre gostei de falar sobre a importância das mulheres e hoje sou militante do movimento feminista com muito orgulho. Acho que a luta das mulheres nunca foi em vão e nunca será, porque temos que garantir os nossos direitos onde trabalhamos. Quando eu tive a oportunidade de fazer parte do Programa de Diversidade como líder do grupo de Equidade de Gênero, me senti muito feliz porque o GNDI é uma empresa que abraça a gente. Pude desenvolver projetos como o de Pobreza Menstrual (já aprovado), além de ter contato com mulheres fortes, empoderadas e com várias histórias diferentes. É importante que tenhamos consciência de quem somos e do nosso papel na sociedade. O movimento feminista busca justamente isso: a igualdade, e nunca a superioridade", diz.

A história de vida de Geraldine flerta com a questão da igualdade: "Tive uma criação muito conservadora e eu queria saber porque as mulheres estavam quase sempre em situação de vulnerabilidade, de não ganhar os mesmos salários que os homens e de não ter o direito de ir e vir. A minha história com o feminismo começou por eu ser questionadora. E minha trajetória pessoal também enveredou por esse caminho. Também sou produtora cultural e faço eventos em prol das cenas das mulheres, além de ser radialista e entrevistar mulheres das mais variadas vertentes. Sou muito feliz por ser uma mulher cercada de várias mulheres maravilhosas", concluiu, complementando que equidade de gênero sempre será sobre a forma como caminharemos todos juntos.   

Nos próximos dias, teremos mais dois depoimentos emocionantes de colaboradoras que participaram da live especial do Dia Internacional das Mulheres. Continue acompanhando os posts do Blog do Colaborador.

 

Você assistiu a live do GNDI no Dia Internacional da Mulher? Deixa aqui a sua opinião.

Você também pode participar. Deixe seu comentário:

 

Angelica Aparecida de Almeida - Cemac Barra Funda

Excelente postagem !!!!Obrigada por nos compartilhar essas experiências .

Angelica Aparecida de Almeida - Cemac Barra Funda

Excelente postagem !!!!Obrigada por nos compartilhar essas experiências .

PATRICIA ALVES BARROS PEREIRA - UTI 20º

MARAVILHOSO...BOM DEMAIS SABER QUE CONQUISTAMOS ESPAÇOS E LUGARES QUE MUITOS ACHAVAM QUE SERIAMOS INCAPAZES, SOMOS PODEROSAS E CAPAZ DE MUITA COISA, SOMOS MULHERES.