Voltar

Ed. n

04

16/08/2021

De Olho na Região - 4ª edição - Hospital Salvalus

Confira a quarta edição.

 

 

 

Projeto Corrente do Bem

Uma parceria entre o RH e a área do ESG do Grupo NotreDame Intermédica com a Associação Keralty de Belo Horizonte fez com que 3.600 cartas fossem escritas a mão para os colaboradores do Hospital e Maternidade Salvalus. A Associação conta com voluntários para realizar o trabalho que tem como proposta dar conforto por meio da escrita, além da estreitar relacionamento com os destinatários que podem responder as cartas recebidas. Maria Pereira de Souza, responsável pela higiene do Hospital, afirma: "Fiquei extremamente feliz e emocionada, pois tive uma sensação muito boa em saber que alguém que eu não conheço, perdeu tempo e escreveu algo para alguém que não conhecia." As cartas foram enviadas para os colaboradores do GNDI e prestadores de serviço do Hospital. Clique aqui e confira as fotos.

 

 

 

Saiba mais sobre a UTI do Salvalus


O "De Olho na Região" conversou com o Dr. Emerson Silvio Giampietro, médico especialista em Medicina Intensiva há 15 anos e coordenador de três Unidades de Terapia Intensiva Adulto do Hospital e Maternidade Salvalus, que nos contou como foi a experiência de liderar uma área que teve grande evidência neste período de pandemia. Confira!

Boletim Regional: Quais os tipos de tratamentos inovadores que a UTI do Hospital e Maternidade Salvalus oferece aos pacientes?

Dr. Emerson: Durante a pandemia de Covid-19, na Terapia Intensiva do Hospital e Maternidade Salvalus,  passaram a ser disponibilizados tratamentos inovadores como a suplementação de oferta de oxigênio para pacientes com insuficiência respiratória através de cateteres nasais de alto fluxo (CNAF) e até Oxigenação por Membrana Extracorpórea (ECMO, na sigla em inglês). Com desta terapia, é possível substituir, por um tempo limitado, a função pulmonar enquanto a doença de base é enfrentada. A ECMO é um tratamento de suporte complexo, que requer equipamentos específicos e equipe multidisciplinar

Boletim Regional: Quantos leitos tem no Hospital e Maternidade Salvalus e qual a capacidade de atendimento?

Dr. Emerson: Durante o ápice da pandemia, o Hospital e Maternidade Salvalus chegou a contar com mais de 80 leitos de UTI destinados a pacientes adultos com COVID, além de outros 40 leitos de UTI destinados para demais casos graves, uma vez que o Hospital é referência na rede para casos de alta complexidade, totalizando, assim, mais de 120 leitos de UTI adulto.

Boletim Regional: Falando em humanização, hoje, dentro do Salvalus, tem algum protocolo inserido a respeito deste tema?

Dr. Emerson: Antes da pandemia de Coronavírus, havia nítida tendência de se buscar maior humanização no atendimento aos pacientes internados na UTI através do estímulo da participação dos responsáveis pelos pacientes em seu tratamento e recuperação, sendo para isso estimulado maior tempo de permanência dos familiares junto aos leitos, no interior da UTI. 

Com as medidas de isolamento absolutamente necessárias em decorrência da pandemia, a solução encontrada foi a realização de vídeo chamadas para que se promovesse maior interação entre pacientes e seus familiares. Esse canal de comunicação vem sendo muito utilizado e traz alívio tanto para pacientes quanto para familiares, contribuindo grandemente tanto no tratamento do paciente quanto no esclarecimento de dúvidas e incertezas que os familiares têm com relação ao tratamento instituído na UTI.

Boletim Regional: O que leva um paciente a ser direcionado para a UTI?

Dr. Emerson: Existem critérios clínicos bastante estabelecidos na literatura médica que definem as condições clínicas dos pacientes que, quando presentes, indicam sua internação na Unidade de Terapia Intensiva. De modo geral, pode-se dizer que quando um paciente tem um agravo reversível de sua saúde, que tornam necessários a utilização de medidas de suporte para a manutenção da vida, ele tem indicação para ser internado na UTI.  São exemplos dessas medidas de suporte a ventilação pulmonar mecânica e a administração de remédios em infusão contínua. Sempre que o quadro clínico do paciente for grave e, por isso, indicar a necessidade de frequente reavaliação e intervenções terapêuticas, ele também tem indicação de UTI.

Boletim Regional: Como foi ser médico de UTI neste período de pandemia?

Dr. Emerson: Ser médico intensivista no período da pandemia tem sido uma experiência muito marcante. Me fez valorizar ainda mais a vida, identificar e comemorar pequenas vitórias diárias no cuidado com os pacientes e em todos os momentos aprimorar a capacidade de se colocar no lugar do outro, procurando sempre ser mais empático. Mas, principalmente, me fez  admirar e valorizar ainda mais cada membro da equipe multiprofissional de cuidado e o trabalho em equipe, elemento fundamental para seguir adiante frente a tantas dificuldades.